Volte ao SPIN


domingo, 13 de junho de 2010

Literatura é movimento?

Nesta noite sonhei que estava sonhando que estava postando um vídeo no campo "anexar vídeo" do blog Luis Nassif Online
Esqueci de acrescentar o sonho desta noite, ou seja, o filme que postei no Luis Nassif Online durante a dormência, quando fechei os olhos para ver:


No sonho perguntei-me se o tal vídeo iria ser publicado, uma vez que eu estava sonhando.
Eu estava consciente de estava postando o vídeo sonhando, daí a dúvida
Como isto será possível se estou sonhando
Num dado momento, mais prá metada do sonho, percebi que eu estava postando os códigos HTHL (embed), de forma que eu não sabia o conteúdo, nem mesmo do título do vídeo eu tinha conhecimento
Acordei e adormeci novamente,,,que coisa mais louca,,,não é que o sonho continou?
Desta vez sonhei com o título do vídeo
Estava escrito o número 400 como sendo o título do vídeo,,,
Ah sim, me lembro que sonhei que eu era prá me virar com este vídeo,,,que era para eu adotar a técnica do "work in progress" para, a partir dali, ou seja, do vídeo sonhado, engatar a temática da noite ou dia, o raio x dos migrantes: franceses
Engraçado,,porque será que sonhei com isso,,,,lembro-me agora, eu estava sem assunto hoje,,,o sonho terminou me desabrochando para mandar ver
Tem mais um porém,,,os sonhos vem incompletos,,eles nunca são literais e geralmente falam de nós mesmos e não sempre sempre do outro como imaginamos,,,
Como é mesmo este lance de sonho incompleto,,,,
Exemplo: sonhei com o nome IV Avatar escrito em letras garrafais como se este fosse nome...ao acordar completei o nome com um sobrenome, daí IV Avatar do Rio Meia Ponte...além do mais é assim mesmo na gramática do IV Avatar,,,os indivíduos, sejam eles animais, humanos ou jurídicos( de uma frutaria a uma cidade) têm como sobrenome o nome do rio córrego mais próximo.
Nem tanto né,,,,isto não pode exato,,,até mesmo porque moro perto do Córrego Botafogo, o que não quer dizer que eu deva me chamar de IV Avatar do Córrrego Botafogo. Preferi, ao invés do córrego, o rio mais próximo...Claro, na falta do rio serveria o córrego.

Momento 2...forma,,,,inserir aqui alguma coisa que remeta à forma,,à construção,,,procurar no google com a frase "quatrocentos movimento literatura" (sem aspas)
Voltei
Achei isso

por Clarice Casado - no blog Página 2

À Helena Sut

Literatura é movimento.
Afirmei ao meu pai, e ele concordou. Movimento? Sim, se é movimento, quero ser levada pelo furacão, quero percorrer os caminhos estranhos e complicados que me levam ao meu íntimo mais íntimo e me trazem ao papel, e me deixam falar de mim sem que eu tenha medo, medo nenhum, não mais.

Se literatura é movimento, não me deixa parada, nunca mais, dá-me a força e a coragem de nunca mais ficar estática, de nunca mais deixar de movimentar-me, de nadar em mim mesma, de voar. Quero que o movimento me movimente mais do que o próprio vento, quero que o vento leve as minhas palavras, arraste-as, como folhas, pro meu papel branco, por meu papel virgem de idéias. Deixa o vento semear meu papel com as minhas palavras. O vento da minha alma, da minha mente, da escritora em ebulição em mim, que ferve como água, que grita e se esperneia no meu Eu, que queria sair, que ainda quer sair, correndo desembestada pelos pampas da literatura.

Se literatura é movimento, liberta a menina tímida que julgava não saber o que fazer da vida, liberta a borboleta de seu casulo, deixa-a voar livre. Quero ver minha própria face, quero ver minha própria alma. Quero ver-me. Quero ver-me pelas minhas mãos criadoras. Quero ver-me e quero que me vejam, que me dispam. Quero que minhas duas metades se unam nesta nova missão: minha metade antiga, e minha metade nova, irmãs, talvez primas, já que são um pouco diferentes. Guardam a essência, mas diferenciam-se em pequenos detalhes.

Se literatura é movimento, deixa-me bailar com a juventude, deixa-me extrair dela tudo que posso, deixa-me sugá-la até sua última gota. Faz de mim uma abelha, e me leva pras flores. Deixa-me levar minhas palavras, deixa que minhas palavras sejam levadas. Pelo vento. Deixa meu pólen se espalhar pelo mundo. Deixa-me voar. Deixa-me voar. Deixa-me sonhar no vôo. Vôo sonhando. Sonho alado.

http://www.paginadois.com.br/textos/literaturaemovimento.html
,

Nenhum comentário: